Uma carta para eu mesma

quarta-feira, novembro 07, 2018
2018 foi um ano muito transformador em minha vida. Eu sinto que há tempos eu estava vivendo uma inercia e neste ano eu me coloquei em movimento. É tanta coisa que aconteceu quando eu paro para pensar, que parece que eu vivi doze anos não doze meses. Talvez tudo começou quando eu cortei o cabelo, ou quando entrei na faculdade e conheci pessoas maravilhosas que me fizeram ver o mundo de maneira diferente. Estar estudando algo que realmente me interessa é desafiador e instigante. Como um professor falou: "ninguém disse que seria fácil"; E não é. Mas mesmo com as matérias mais difíceis e as mais chatas, eu não mudaria nada. 
Um ano cheio de amor. A despedida de um velho amor. Me apaixonei por eu mesma. Conheci novos amigos e amigas para amar e esbarrei com um novo amor um tanto improvável... Talvez aquele ditado "os opostos se atraem" seja mesmo verdade. Mas o mais importante, eu me apaixonei por uma carreira. Fazendo estágio descobri que lecionar é o que eu realmente quero fazer, mesmo com todos os desafios e obstáculos que fazem ser professor não ser uma das melhores carreiras, é o caminho que eu quero seguir. 
Esse texto não é uma retrospectiva tipo a que passa no fim do ano em emissoras como a Rede Globo. Não. É para eu me lembrar por tudo que eu passei em um ano cheio de mudanças, negativas e positivas. É para eu me lembrar principalmente da minha força e de como eu sou resiliente. E que mesmo com novos desafios vindo por ai que estão tirando o meu sono - literalmente - eu vou conseguir. 
Eu não sei se essa é uma volta definitiva para o blog, mas eu estava com tanta saudade de escrever. Há tempos não escrevo algo assim, tão eu, tão meu.
Mas espero conseguir voltar, no meu tempo. 

Nenhum comentário:

Feito por Lídia Munt. Tecnologia do Blogger.